Reuniões

1)  Sessões de Trabalho


Durante o curso do projeto MediNet serão realizadas sessões de trabalho envolvendo as Instituições responsáveis pela estimativa das emissões e sequestro e os Institutos/Universidades que trabalham em temas associados às culturas agrícolas e pastagens. Serão também convidadas pessoas de outros projetos LIFE, assim como de outros projetos fora do LIFE, de modo a aumentar a troca de informação e de experiências. Nos seminários serão abordados os temas específicos tratados nas Ações A.3, A.4 e A.5, e cujo foco será: 

a) Áreas de culturas agrícolas e de pastagens sujeitas a alteração na gestão
O foco deste seminário será a identificação e seleção das abordagens recomendadas para identificar e acompanhar os dados de atividade.
De acordo com o IPCC, as emissões e sequestro são calculados multplicando os dados de atividade por um fator de emissão. Portanto a obtenção de bons dados de atividade é um elemento chave para obter boas estimativas de emissões e sequestro. Enquanto que os dados estatísticos fornecem boas informações sobre áreas, nomeadamente áreas associadas a um determinado tipo de cultura agrícola, são fontes de informação muito pobres no que diz respeito à distribuição espacial destas (incluindo local espacial do aumento e decréscimo da área associada a essas culturas em qualquer ano) e fornecem informação ainda mais escassa no que toca aos sistemas de gestão aplicados a essas culturas. Um desafio adicional será obter, para essas alterações, séries temporais consistentes.

b) Contribuição da biomassa acima e abaixo do solo proveniente das culturas perenes

A principal fonte de carbono das culturas agrícolas e das pastagens é a biomassa viva e o carbono do solo. 
É bastante provável que a contribuição, para as alterações climáticas, da biomassa (viva e morta) das culturas agrícolas anuais e dos prados seja apenas marginal (uma vez que os ganhos são contrabalançados com as perdas), o mesmo já não será verdade no que diz respeito às culturas perenes, pastagens arbustivas, sistemas agroflorestais ou que envolvam sebes ou árvores isoladas. 
Enquanto que a biomassa florestal é bem compreendida e modelada (ex. recorrendo à informação dos inventários florestais e modelos de crescimento florestal), os ganhos e perda de de biomassa nas culturas agrícolas e nas pastagens não são tão bem conhecidos.
O Seminário incidirá na identificação das abordagens que permitam reportar os fatores de emissão da biomassa viva e madeira morta associados às culturas agrícolas e às pastagens.
 

c) O teor de carbono orgânico do solo varia consoante o tipo de gestão aplicada às culturas agrícolas e às pastagens. 
Enquanto alguns dos sistemas de gestão são relativamente bem compreendidos (ex. com mobilização versus não mobilização), outras práticas e sistemas de gestão que pode ter impactos no carbono do solo não estão tão bem caracterizados nem são utilizados para efeitos de reporte nacional. O seminário “Ganho e Perdas de carbono do solo” terá como principal objetivo a identificação dos fatores de emissão específicos para a área Mediterrânea, para a alteração de usos do solo para culturas agrícolas ou pastagens e vice-versa  de modo a substituir os fatores de emissão padrão do IPCC (tier 1) e aumentar o número de práticas de gestão agrícolas actualmente reportadas nos relatórios nacionais.

2)  Dia do agricultor

Existem ainda algumas falhas de conhecimento básico, relativamente aos impactos da agricultura nas alteração climáticas ao nível dos agricultores e associações de agricultores. Iniciativas de capacitação, como o dia do agricultor, irão ajudá-los a entender as várias fontes de emissão e remoção de GEE que são afetadas pela sua atividade.

O projeto produzirá resultados que ajudarão a entender e quantificar melhor os impactos que certas atividades agrícolas tem nas emissões e sequestro dos GEE. O dia do agricultor será uma oportunidade excelente para comunicar os resultados do projeto ao público mais relevante, ou seja, os próprios agricultores.
O dia do agricultor é uma iniciativa que pretende cumprir os seguintes objetivos:

  • Comunicação dos resultados do projeto

  • Capacitação sobre os impactos dos sistemas de gestão da agricultura na emissão e sequestro dos GEE

  • Indicação de onde encontrar apoio para as opções inteligentes sobre o clima, particularmente em relação às oportunidades resultantes de financiamento no âmbito da Política Agrícola Comum (PAC) e dos Programas de Desenvolvimento Rural.

A PAC e os Programas de Desenvolvimento Rural apoiam uma multiplicidade de ações que visam objetivos diferentes. O dia do agricultor servirá para ajudar os agricultores a identificar os sistemas de gestão mais relevantes, para que possam apoiar os que têm um impacto positivo nas alterações climáticas.

Serão realizados dois encontros em  2017:

  • Dia do Agricultor -  Portugal

  • Dia do Agricultor - Itália